terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Flamenco - uma paixão antiga

Nós sempre tivemos coisas em comum. Mesmo sendo descendentes de italianos, o Vito tinha algo de mouro e eu, bem... eu me adapto ao belo e pensando bem, se parte de minha família é de Valenza (Piemonte - Italia) algo deve ter a ver com as andanças dos valencianos de Valencia, Espanha. Será? Mas com tanta gente que passou por lá, império austro-hungaro, Napoleão, franceses, bem, paro por aqui. Eu adoro flamenco. Ponto.
Sempre que posso vou a um show. Em São Paulo, na Espanha nem se fale. Em Paris trocamos o can-can pela guitarra flamenca, o canto e a dança.
Até que resolvi, na tenra idade do pós 50 e tantos anos, começar a "flamencar". Coitada da paciência e amabilidade de meu professor Fernando Cesar. Aliás, ir na aula dele é ter um show particular de flamenco. Ele dança muuuuito! Nossa turma é divertida, claro. Eu sempre encontro com pessoas de espírito alegre. Prá variar sou a mais "coroa" da turma, però no mucho.
Flamenco é uma atitude, é a manifestação da alma de uma pessoa compartilhada através da música, do cante, do baile. Tem um forte apelo emocional que relata a condição humana de viver dos povos que o formaram, creio eu. Sim, eu sinto isso. Dançar é uma arte e como tal expressa as escalas das emoções.


Ninguém soube me dizer ao certo a origem do flamenco; já me disseram até que tenha nascido na Índia. Prefiro deixar a glória para os povos nômades (os famosos ciganos) que chegaram na região do sul da Espanha, encontrando-se com árabes, portugueses e espanhois, dando início a um forte movimento cultural.
Pelo que estou estudando posso dizer que é uma dança que exige muito, especialmente na minha idade!! Um bom desafio e um bom prazer. Difícil de sincronizar!! Nem dá para imaginar. Se não é o Fernando com suas metáforas "chuveirinho" "espanando", ulalá, nosso gestual estaria literalmente no brejo. Na próxima aula tenho uma boa para ele "tira a blusa" para elevarmos nossos braços com vigor. Os braços e as mãos dão uma elegância visual e sensual.



PS - detesto, odeio touradas. Nunca fui e nunca irei em uma. (falo isso pois tem um gestual parecido)

5 comentários:

eduardolub disse...

Marina, antiga paixão, seu blog esta bonito; procurei pelos foquinhas e lhe encontro. Lamento perda de seu esposo. Terei alguma chance agora? Desculpe ser direto. Eduardo

Carioca disse...

Marina,

P A R A B É N S !!!!!!!

Vc sabe o quanto adoro flamenco. Uma dó que eu tenha parado há tanto tempo. Mas eu volto. Talvez eu possa ser mais uma "coroa" p/ te fazer companhia na sua turma... Mande os contatos...

Beijos flamenquistas
(e flamenguistas, minha outra paixão... será o nome?)

Claudia Carioca

marina vicari lerario disse...

eduardolub? Não me recordo do senhor. Achei seu comentário MUITO inoportuno. Chances? Nenhuma!!

marina vicari lerario disse...

Claudinha, que bom ter vc por aqui. Não me diga q vc parou com o flamenco!! Adorei sua apresentação na Marie Jeanne. Meu contato é o Fernando, o site dele está no link "preferidos".

Don Ignacio Espeleta disse...

Me gusta tu blog!Me alegro que te guste el flamenco.Si quieres te puedo decir algunos lugares para escucharlo aqui en Madrid!
Un saludo